Treinamento de congestionamento

Com este sistema trabalha somente até que se obtenha o congestionamento total. Com isso simplifica o processo de série, repetições e se conseguem melhores resultados a longo prazo. Utilizar o treinamento de congestionamento é o mais simples. O primeiro é esquecer-se por completo de conceitos como séries, repetições ou quantos exercícios devem ser feitos. Você tem que se concentrar em um grupo muscular específico e bombardeá-la de todos os ângulos. Diferentes exercícios, séries longas e curtas, repetições feitas a consciência, sentindo plenamente o músculo ou músculos que estão trabalhando. que estão se movendo a carga; é claro que esta não será excessivamente clara, mas não tão pesado como para que obrigue a lutar cada repetição. Tudo isso até que o músculo está completamente bombeado e totalmente congestionado. Uma vez atingido este ponto, o estado de congestionamento total, não é necessário continuar a trabalhar esse grupo muscular, Para quê? O objetivo foi atingido e é preferível passar para o segundo músculo do dia. Alguns dias, você pode obter este bombeamento com a metade de repetições e exercícios que outros. Os dias em que se precise de mais tempo, pode ser que não nos esforçamos, como é devido; os exercícios estão fazendo corretamente, mas você tem que colocar “um pouco mais”, contrair os músculos vigorosamente para alcançar a necessária congestionamento.

Não há, portanto, que se preocupar em fazer um número determinado de repetições por série, mas de treinar, tal como proferida a capacidade natural e continuar até que os músculos estejam completamente congestionadas e bombeados.

congestionamentoPara obtê-lo você precisa de algo mais do que arcar com o peso de cima para baixo. Há que estar totalmente concentrado no que se está fazendo, em que os músculos que trabalham. Possivelmente, isso é o que mais custa a aprender, mas posso garantir que é a mente o que separa um grande físico, de outro medíocre, os profissionais dos amadores, os homens dos meninos. Comecei a treinar com o sistema mais popular da minha época, conhecido como “duplo progressão”. Primeiramente se ia elevando o número de repetições até chegar ao máximo marcação. Depois fazia o mesmo com as séries. Quando se atingia, digamos, quatro séries de doze repetições com aquele peso, aumenta a este e reduz o trabalho a duas séries de oito repetições. E volta a começar. O adotei porque sobre o papel me pareceu um sistema excelente. E, na verdade, io era. mas eu ficava sempre a sensação de que não era suficiente para progredir como eu acreditava que podia fazê-lo. A força aumentava, mas eu não queria ser um levantador ou um forzudo; eu queria um corpo de fisiculturista.

Com o método “tentativa e erro” eu entrei em diferentes sistemas de treinamento, até que alguém me falou do “sistema triplo progressivo”.

Me disseram que ele havia idealizado John Grimek e, embora eu sei que foi originalmente halterófilo, como foi o primeiro fisiculturista bom que eu conheci, eu decidi testar o seu sistema.
Basicamente consiste em aumentar a carga e reduzir as repetições. O objetivo é fornecer aos diferentes grupos musculares exercitados a máxima resistência sem causar uma fadiga extrema. Você tem que começar com uma carga leve, que permita cerca de doze repetições. Depois é aumentar a carga e diminuir o número de repetições. Depois de aumentar a carga e diminuir o número de repetições. Pode-Se pensar que é o clássico treinamento tipo piramide, mas há uma substancial variação: em cada série, você pode fazer um exercício diferente, que seja semelhante em sua ação. Por exemplo, se começa com o supino, segue-se com o supino com halteres, depois supino na máquina Smith. O modelo que eu seguia era uma série de 10-12 repetições, depois uma de 8 e outra de 5, uma quarta de 3, e, excepcionalmente, uma de 1.
Como é um pouco estranho, tive certas reticências no início, mas tenho que reconhecer que, desde o início, pode ver e sentir os resultados. O problema que me surgiu quando eu comecei a estancarme com as cargas. Fiz mudanças nos exercícios tentando criar uma certa confusão ao músculo, mas eu atasqué em um ponto morto do que não me achei capaz de sair.

Foi quando eu decidi deixar de complicarme a vida com quilos, séries, repetições, etc.

Escolhia um exercício adequado para o grupo muscular que queria trabalhar naquele dia. Com uma carga leve começava a aquecer. Depois, com um pouco mais de peso, continuava fazendo séries e repetições. Sem me preocupar de coisa alguma, exceto do músculo que estava treinando, concentrado nele, bombeando sangue, congestionando o músculo.
Quando considero que esse exercício, nesse dia, não pode me dar mais, passo a outro se eu achar que meu corpo precisa. Não há regras fixas; só procurar o congestionamento total. Há que conhecer-se um pouco para saber quando é o momento certo de parar, nem muito cedo, nem muito tarde. Geralmente, os grandes músculos vão precisar de mais trabalho: alguns dias, para congestionar bem, o peitoral, faço de 12 a 15 séries, mas outros me vale apenas com 5. Um bom exemplo, de minha resposta, é a perna; há dias que 2 séries de 20 repetições de agachamento não posso fazer nem uma flexão; outros, eu preciso de algo mais, mas não é o habitual.
Os braços e os gêmeos não me exigem quase nunca mais do que 6 séries, distribuídos em um ou dois exercícios. Você Parece pouco? Provai, tornando-os bem, empleándoos a fundo, bombeando a topo, e você vai ver como se vai sacáis jogo.congestionar

Não digo que tenha que treinar “bombeando” constantemente, já que o corpo se acabaria se acostumando, como faz com todos os sistemas de trabalho que se aplicam com uma certa regularidade, mas sim que eu recomendo utilizar este sistema quando um se sinta confuso sobre o que fazer em relação a séries e repetições para um grupo muscular ou um exercício específico. Em casos assim, há que esquecer por completo os números e trabalhar o músculo ou músculos, em questão até que se sintam mais grandes e apertados, sinal inequívoco de que estão congestionados e bombeados.
Dando ao treinamento de congestão um prazo para provar a sua eficácia, haverá muitas chances de conseguir o tipo de massa muscular, o que sempre se tem lutado. E, embora alguns sosiengan o contrário, também ganha força.

Realizado como descrito, o treinamento de congestionamento envolve as fibras musculares mais profundas, que são as mais importantes para o desenvolvimento e fortalecimento da massa. Não há. pois, para que se preocupar em fazer um número determinado de repetições por série, mas de treinar, tal como proferida a capacidade natural e continuar até que os músculos estejam completamente congestionadas e bombeados. Em matéria de treinamento, é tudo o que você precisa para melhorar.
Dizia uns parágrafos atrás, para a hipertrofia muscular ocorre, na corrente sanguínea deve ter os nutrientes suficientes que suportem essa indução ao crescimento que provoca o treinamento. Expresso de outro modo, é por meio da alimentação, como chegam ao organismo os elementos necessários para poder realizar os esforços físicos e, posteriormente, ocorra a reconstrução de tecidos. É dizer, que sem uma alimentação abundante e de boa qualidade não é possível o desenvolvimento muscular típico de um fisiculturista.

Não basta apenas treinar forte. É necessário comer frequentemente ao longo do dia (com um mínimo de cinco ou seis vezes) e fazê-lo bem. Perguntai a qualquer culturista com tamanho (de verdade), e vos dirá que é impossível entrar, assim, sem ingerir grandes quantidades de alimentos. Os músculos grandes estão diretamente relacionados com a quantidade e a qualidade dos nutrientes que são tomadas.
Uma dieta de fisiculturista adequada deve ser rica em carboidratos e proteínas, e moderada e baixa em gorduras. Também não podem faltar nela micronutrientes como vitaminas ou minerais. É conveniente, também, fazer várias refeições distribuídas ao longo do dia, em vez das três refeições pesadas tradicionais na sociedade ocidental. Desse modo, o corpo vai poder assimilar os nutrientes com mais facilidade.
Os suplementos são um apoio importante para enriquecer a dieta, uma vez que fornecem nutrientes em quantidades e proporções desejadas, o que nem sempre se pode conseguir com os alimentos tradicionais. Não quero dizer com isso que se realize o sonho não é um deles, mas o contrário; a comida deve ser a base da dieta, os suplementos que o complemento perfeito.

Um desses suplementos, amigo dos fisiculturistas há mais de cinqüenta anos, são os shakes de proteína. Um bom batido de proteína é uma refeição em si mesmo, é fácil de preparar e pode ser consumido em qualquer momento do dia. Quem está levando a dieta típica, com café da manhã, almoço e jantar, se você tomar um batido a meio da manhã, outro no lanche da tarde e outra antes de dormir, terá se tornado muito completa. Estes shakes podem ser acompanhadas de comida sólida, um pouco de fruta, um sanduíche de frango, alguns frutos secos, etc., o que serve para enriquecer o vosso plano alimentar um pouco mais. Mas não apenas
e pode tomar os batidos de proteína entre as refeições, mas que também servem para reforçá-las.

Um batido de proteína é um modo de fazer um pequeno naqueles dias em que não entra nada, mas é fácil de tomar depois de ter tomado o vosso sumo de laranja, os cerales e os ovos passados por água.

A melhor fonte de proteína disponível é o isolado de proteína disponível é o isolado de proteína de soro obtido por hidrólise enzimática. O produto final é uma proteína de fácil assimilação, uma vez que está parcialmente predigerida e fracionada em peptídeos curtos. A técnica para obtê-lo é chamado CFM (Cross Flow Microfilmagem). É uma filtração de fluxo cruzado com filtros de membrana cerâmica. A vantagem é que as proteínas são desnaturadas, já que durante o processo não estão sujeitos a altas temperaturas ou expostos a agente químicos, solventes ou ácidos que alterem o seu PH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

¤